youbee apiterapia orgânica
Tratamento com Abelhas Atualmente, são vastos os estudos científicos, composição e pesquisas, com o veneno das abelhas. Daí falarmos da Apiterapia, tratamento terapêutico, conhecido como TVA (Terapia com o Veneno de Abelha). É um tratamento bastante utilizado nos EUA, na Rússia, na Romênia, na Alemanha, na França, em Cuba, na China, no Japão, no Chile, Argentina e em outros países. Entretanto, no Brasil, são poucos os terapeutas atuando com a TVA, principalmente, na área de Esclerose Múltipla. Já nos EUA, por ano, são tratadas de 40 a 60 mil pessoas. Entenda de uma forma bem simples, do poder do veneno das abelhas, basta dizer que um dos componentes do veneno, a Melitina, é 200 vezes superior ao mais potente corticóide sintético, e a Apamina inibe a destruição da Mielina (responsável pelas sinapses entre as células nervosas), dando chance ao organismo de criar uma nova rede de comunicação. O processo se inicia com o terapeuta verificando a sensibilidade da pessoa ao veneno da abelha. Havendo uma reação, inicia-se o processo de dessensibilização, com vários protocolos. A Comissão de Apiterapia Apimondia e ASS (Sociedade Americana de Apiterapia), em 60 anos, nunca teve um comunicado de acidente fatal durante um tratamento terapêutico intencional em consultório . Segundo estatísticas norte-americanas, o risco de morrer de frio ou fulminado por um raio é muito maior do que morrer pelo veneno das abelhas. Utilizando-se a abelha nos pontos determinados pelo terapeuta (e não o veneno injetável por meio de seringas), estimulam-se as cápsulas adrenais que induzem um aumento da taxa de cortisona no plasma sanguíneo, persistindo durante uma semana. Isso ativa inúmeras reações imunológicas no organismo humano. Além disso, o veneno das abelhas é um antiviral de ação forte e anticarcinógeno.

MENU

Apiterapia

Apiestética

Publicações

REDE SOCIAIS

CONTATO

Rua Tirreno 78 Jardim do Mar

São Bernardo do Campo SP

Enviando formulário…

O servidor encontrou um erro.

Formulário recebido.

apiterapia orgânica
youbee Tratamento com Abelhas Atualmente, são vastos os estudos científicos, composição e pesquisas, com o veneno das abelhas. Daí falarmos da Apiterapia, tratamento terapêutico, conhecido como TVA (Terapia com o Veneno de Abelha). É um tratamento bastante utilizado nos EUA, na Rússia, na Romênia, na Alemanha, na França, em Cuba, na China, no Japão, no Chile, Argentina e em outros países. Entretanto, no Brasil, são poucos os terapeutas atuando com a TVA, principalmente, na área de Esclerose Múltipla. Já nos EUA, por ano, são tratadas de 40 a 60 mil pessoas. Entenda de uma forma bem simples, do poder do veneno das abelhas, basta dizer que um dos componentes do veneno, a Melitina, é 200 vezes superior ao mais potente corticóide sintético, e a Apamina inibe a destruição da Mielina (responsável pelas sinapses entre as células nervosas), dando chance ao organismo de criar uma nova rede de comunicação. O processo se inicia com o terapeuta verificando a sensibilidade da pessoa ao veneno da abelha. Havendo uma reação, inicia-se o processo de dessensibilização, com vários protocolos. A Comissão de Apiterapia Apimondia e ASS (Sociedade Americana de Apiterapia), em 60 anos, nunca teve um comunicado de acidente fatal durante um tratamento terapêutico intencional em consultório . Segundo estatísticas norte-americanas, o risco de morrer de frio ou fulminado por um raio é muito maior do que morrer pelo veneno das abelhas. Utilizando-se a abelha nos pontos determinados pelo terapeuta (e não o veneno injetável por meio de seringas), estimulam-se as cápsulas adrenais que induzem um aumento da taxa de cortisona no plasma sanguíneo, persistindo durante uma semana. Isso ativa inúmeras reações imunológicas no organismo humano. Além disso, o veneno das abelhas é um antiviral de ação forte e anticarcinógeno.
apiterapia orgânica
youbee Tratamento com Abelhas Atualmente, são vastos os estudos científicos, composição e pesquisas, com o veneno das abelhas. Daí falarmos da Apiterapia, tratamento terapêutico, conhecido como TVA (Terapia com o Veneno de Abelha). É um tratamento bastante utilizado nos EUA, na Rússia, na Romênia, na Alemanha, na França, em Cuba, na China, no Japão, no Chile, Argentina e em outros países. Entretanto, no Brasil, são poucos os terapeutas atuando com a TVA, principalmente, na área de Esclerose Múltipla. Já nos EUA, por ano, são tratadas de 40 a 60 mil pessoas. Entenda de uma forma bem simples, do poder do veneno das abelhas, basta dizer que um dos componentes do veneno, a Melitina, é 200 vezes superior ao mais potente corticóide sintético, e a Apamina inibe a destruição da Mielina (responsável pelas sinapses entre as células nervosas), dando chance ao organismo de criar uma nova rede de comunicação. O processo se inicia com o terapeuta verificando a sensibilidade da pessoa ao veneno da abelha. Havendo uma reação, inicia-se o processo de dessensibilização, com vários protocolos. A Comissão de Apiterapia Apimondia e ASS (Sociedade Americana de Apiterapia), em 60 anos, nunca teve um comunicado de acidente fatal durante um tratamento terapêutico intencional em consultório . Segundo estatísticas norte-americanas, o risco de morrer de frio ou fulminado por um raio é muito maior do que morrer pelo veneno das abelhas. Utilizando-se a abelha nos pontos determinados pelo terapeuta (e não o veneno injetável por meio de seringas), estimulam-se as cápsulas adrenais que induzem um aumento da taxa de cortisona no plasma sanguíneo, persistindo durante uma semana. Isso ativa inúmeras reações imunológicas no organismo humano. Além disso, o veneno das abelhas é um antiviral de ação forte e anticarcinógeno.